Notícias

Cliente denuncia agressão e racismo após acusação de furto em loja de shopping em Cuiabá

Publicado em 14 de junho de 2021

O servidor público Paulo Arifa comprou um sapato e, na saída, foi abordado por seguranças do shopping e uma funcionária da loja. Ele disse que foi empurrado e teve uma torção no tornozelo. Shopping abriu processo administrativo para apurar caso.

Um servidor público federal denunciou ter sofrido agressão e racismo ao ser acusado de furto na saída de uma loja de um shopping em Cuiabá, na última quarta-feira (9).

Paulo Arifa, de 38 anos, que é negro, disse que comprou um sapato e, ao sair para ir em outra loja, foi abordado por cinco seguranças e uma funcionária, que exigiram a nota fiscal do produto.

Paulo contou que decidiu comprar o sapato e a roupa às pressas para participar de uma reunião do trabalho, que tinha sido antecipada. Como estava de bermuda e chinelo, ele foi até o shopping.

“Escolhi o calçado, paguei no caixa e a moça perguntou se eu queria sacola, eu disse que não. Ela retirou o dispositivo de segurança e eu calcei ali mesmo. Segui para uma loja de roupas e na saída do provador fui abordado. Demorou para cair a ficha que a abordagem era comigo”, contou.

No mesmo dia, o sevidor registrou um boletim de ocorrência contra a loja. A Polícia Civil solicitou exames de corpo de delito e imagens das câmeras de segurança do local, que devem ser entregues em até 10 dias. A ocorrência é investigada pela 2ª Delegacia de Cuiabá.

Em nota, o Pantanal Shopping disse que abriu um processo administrativo interno para apurar o caso (leia íntegra da nota abaixo).

Conforme a ocorrência registrada na polícia, Paulo sofreu injúria, calúnia e lesão corporal.

Ao G1, ele contou que, devido ao constrangimento, ficou nervoso e não conseguia localizar a nota fiscal do produto no momento da abordagem.

Cliente foi abordado por seguranças em shopping de Cuiabá — Foto: Reprodução

Cliente foi abordado por seguranças em shopping de Cuiabá — Foto: Reprodução

 

Em seguida, ele disse que os fiscais tentaram conduzi-lo para a sala segurança do local, momento em que um dos funcionários o segurou e o empurrou.

“Iniciei as filmagens após tentar resolver o conflito de outras maneiras, após tentar localizar a nota, mas aí já era tarde demais. Ainda estou assustado e com medo. Quando me vi cercado por seguranças querendo me conduzir lembrei do caso do João Alberto, morto pelo segurança. Achei que algo pior poderia acontecer”, relatou.

 

A vítima disse que pisou em falso por causa do empurrão e machucou o pé. Depois de alguns minutos, ele conseguiu localizar a nota que comprovava a compra, e foi liberado pelos seguranças.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Arifa sofreu uma torção no pé direito após empurrão em shopping — Foto: Arquivo pessoal

 

Ao sair do shopping, Paulo seguiu para o hospital ortopédico. Exames apontaram uma torção no tornozelo direito. Ele foi afastado das atividades por 15 dias para fazer fisioterapia e se recuperar da lesão.

“Não estou conseguindo dormir. Estou tendo pesadelos. Estou acostumado a ser seguido por segurança como suspeito, aliás, tenho o biotipo de suspeito por ser preto e pobre. A sociedade ainda mantém velado o racismo, negando que ele exista. Até quando vamos manter velado a hipocrisia social?! Negro também e gente”, disse.

 

Paulo Arifa é servidor público federal em MT — Foto: Arquivo pessoal

Paulo Arifa é servidor público federal em MT — Foto: Arquivo pessoal

 

Paulo afirmou ainda que já esteve em várias situações de risco durante a carreira no trabalho, no entanto, esse foi o momento em que mais sentiu medo.

Segundo o servidor, é inadmissível que as pessoas sejam julgadas pela cor da pele ou pela roupa que usa.

“Sonho com dias em que todos serão realmente iguais perante à Justiça, e que a igualdade realmente exista. Já avançamos muito na desigualdade social, mas, ao mesmo tempo, vejo que temos um longo caminho a percorrer”, afirmou.

O que diz o shopping

 

Em nota, o Pantanal Shopping disse que abriu um processo administrativo interno para apurar o caso e tomar todas as medidas cabíveis para que ocorrências como essa não se repitam.

“O Pantanal Shopping esclarece não tolera nenhuma forma de discriminação ou violência e que o tratamento narrado não faz parte das diretrizes do shopping, que baseia a abordagem com o público de forma geral em valores como ética, respeito, humildade e transparência”, diz.

Desigualdade racial

 

Dados divulgados em agosto deste ano pelo Atlas da Violência 2020 indicam que os assassinatos de negros aumentaram 11,5% em 10 anos, enquanto os de não negros caíram 12,9% no mesmo período.

Entre os negros, a taxa de homicídios no Brasil saltou de 34 para 37,8 por 100 mil habitantes entre 2008 e 2018. O relatório também mostra que, em 2018, os negros representaram 75,7% das vítimas de todos os homicídios.

Em 2016, a taxa de homicídios contra negros em Mato Grosso foi maior que o índice nacional, segundo o Atlas da Violência divulgado em 2018. Entre 2006 e 2016, o estado ainda registrou um aumento de 17,7% na taxa de mortalidade de negros. No mesmo período, o índice de vítimas brancas teve redução de 3,3%.

Como conclusão, os autores do estudo apontam que “a desigualdade racial no Brasil se expressa de modo cristalino no que se refere à violência letal e às políticas de segurança. Os negros, especialmente os homens jovens negros, são o perfil mais frequente do homicídio no Brasil, sendo muito mais vulneráveis à violência do que os jovens não negros”.

Por G1 MT

Baixe o APP da Rádio 102.1

Agora você pode nos ouvir em qualquer lugar com acesso à internet. Disponibilizamos para você, além do áudio, informações de contato e acesso às nossas páginas na internet.